Follow by Email

Ciclos


O tempo parou,
mas as horas insistiam em passar por ela.

A avenida estava interditada.
A solução era tomar o caminho mais longo para seu destino.
As luzes da cidade estavam todas apagadas.
Durante o dia, distraía-se com o vai-e-vem das pessoas.
De noite, encontrava-se com sua própria escuridão.

Em casa, não havia folhas de papel para escrever sobre seus dias.
Eles se tornaram vazios.
Descobriu-se atada na teia de seus pensamentos.
Tornou-se emaranhada por eles e a estagnação fez-se-lhe companhia.
Seus movimentos corporais cessaram-se
na impossibilidade de suas ações.
A força de suas emoções cresceu;
a invalidez dos seus desejos causaram-lhe dor.

Procurou gritar, mas sua voz calou-se
diante da ensurdecedora voz do seu coração.
Pôs-se a chorar. As lágrimas percorreram sua face,
e como soro, serviram-lhe de alimento.
Quando já havia se acostumado a elas, cessaram-se.
Esgotaram-se.

Nada a alimentava mais.
Então encontrou-se com a morte.

O medo pavorante de perder a vida, despertou-a novamente.
E o tempo voltou a andar.
As horas marcaram novamente seus passos.
A avenida desinterditou.
As luzes voltaram a se acender.
Comprou novas folhas de papel e reescreveu seus dias.
As teias foram retiradas de seus pensamentos.
Movimentos corporais reaqueceram-lhe o coração.
As emoções fluiram como novas e sua voz fez-se mansa.
A paz retornou a seu coração
e a própria vida reinventou-se.


Ana Martins

5 comentários:

  1. Very nice poems You've made! (I read them after translate into English by google :) Keep up good work! Greetings from Poland ;)

    ResponderExcluir
  2. Hi Mathi,

    Welcome to my blog!
    So nice words you write me, thank you so much!
    Greetings from Ana, Rio :-)

    ResponderExcluir
  3. as vezes penso "é químico... so pode ser...". Tédio - ansiedade - tristeza - desespero - calmaria - esperança - euforia - alegria - calmaria - tédio...
    Um dia acalma(tem que acalmar). A arte ajuda.
    Hugo

    ResponderExcluir
  4. A vida é química e fazemos parte dela. Acho que é por aí, somos um mix de mil fontes de energia, em movimentos cíclicos. A Arte é a própria vida. desperta amor e ódio. Indiferença jamais. Indiferença seria a morte, e esta não brilha mais; mas pode fazer renascer - Eis a mágica, a Arte da vida! :)

    ResponderExcluir
  5. A própria vida reinventou-se até quando? Até a chegada de um novo ciclos? Ciclos are bad.
    Esse seu texto me lembrou um pouquinho o existencialismo de Sartre...

    ResponderExcluir