Follow by Email

AMAR ERRADO

Não sei se você já se perguntou alguma vez por que ama ou amou alguém errado. Ou da forma errada.
Amou demais. Amou de menos. Amou mais do que mereciam.

Descobertas as imperfeições do ser amado, implica. Quer ser aceita. Ser compreendida. E o xinga!
Ou se desdobra para agradá-lo e ele nunca parece amar-lhe o suficiente para retribuir todo o amor que você oferece.

Não somos seres perfeitos o bastante.
Nunca questione por que o mundo - este mundo que vivemos, é tão podre e cruel.
Ele é e vai continuar sendo assim enquanto estivermos por aqui. Não quero com isso, me conformar com ele - ao contrário!
É nele que está a grande oportunidade de exercitarmos o amor, quando ainda temos tanto a aprender sobre ele!

Transcrevo aqui, palavras a uma amiga,
a Beatriz (leia o blog dela:
http://www.bibidebicicleta.blogspot.com/ )


É verdade! No amor, nunca estamos suficientemente preparadas!
Eu sou assim também, meio personagem de mim mesma nas horas mais difíceis, tanto para mim, como para meus amigos, quando preciso ser mais do que sou para ajudar. Mas tenho dentro de mim uma fidelidade imensa a respeito do que sinto, que acabo sempre transparente. Então fica óbvio que estou procurando ser forte e durona, quando na verdade não sou. Mas o mais bacana disso tudo é que, quando consigo superar a dificuldade, percebo que, bem no meio do caminho, aquela força já era minha, e eu ainda não a tinha reconhecido.

Acho que quando nasce o amor, nunca se ama errado. Acontece que estamos sempre despreparados para todas as nossas dificuldades, que dirá a dos outros. Na "sacola" do amor, não cabe o "pacote" dificuldades. Então, nós, que estamos aqui para sermos melhores e evoluirmos, entramos em choque com nossas limitações. Quanto mais enxergamos dificuldades, mais achamos que amamos errado.

Então, quando temos um amor mal resolvido, muitas vezes dizemos a nós mesmas que não nos amamos o suficiente, quando na verdade, não entendemos que somos seres imperfeitos e que estamos aqui para crescer, evoluir. E me vem a pergunta: qual será a máxima do amor, se nunca estamos suficientemente preparados, evoluídos? Me veio na cabeça agora que deve ser a misericórdia. Aquela que nos faz estender a mão para aquele que nos cospe. Tão difícil para nós, que ainda estamos tão pequenos...
Mas num amor a dois, a máxima que constrói a longevidade da relação, deve ser mesmo o perdão.
Olha só um trecho que li outro dia, e que me fez pensar, pensar e pensar....

"Para meus amigos... CASADOS. O amor não te faz dizer "a culpa é sua", mas o amor te faz dizer "me perdoe". Não é "onde você está?", mas "estou aqui". Não é "como pôde fazer isso?", mas "eu te compreendo". Não é "eu gostaria que você fosse", mas "te amo, pelo que você é". Diz o ditado que um casal feliz é aquele feito de dois bons perdoadores. A verdadeira medida de compatibilidade não são os anos que passaram juntos; mas sim de quantos desses anos vocês foram bons um para o outro".

Dai, vc me disse: temos que trabalhar nosso eu para que o amor seja eficaz, bacana.
E é isso mesmo!!! Trabalhar o "Eu" é evoluir!

Menina, a sua inteligência me faz feliz! E realmente, muita coisa desta vida é puro "feeling". Não é para se explicar, mas para sentir!
Obrigada por vc existir!


Ana Martins

Nenhum comentário:

Postar um comentário