Follow by Email

EVOLUÇÃO SEXUAL



Dois corpos podem se entender muitíssimo bem na matéria, no desejo.
Em sintonia perfeita. Sem precisar qualquer outra afinidade entre eles.
(Atração sexual).

Com afinidade emocional, o prazer é evidentemente maior. Gostam-se.
E é o bastante. (A soma entre atração sexual com a emocional).


Mas quando também há afinidade espiritual, o sexo não é só sintonia perfeita em matéria.
Falam-se duas línguas: a do corpo e da alma. (Atração sexual, emocional e espiritual).
Assim nasce o amor. Quanto maior a sintonia entre corpos e almas, mais profundo o amor.
A sintonia fica tão perfeita, que a possibilidade de se fazer amor no plano mental torna-se uma possibilidade real.
E sem precisar do toque do outro, pode-se senti-lo com a plenitude, até mesmo à longa distância.

A capacidade de sentir o real prazer espiritual do outro durante o ato de amor - não só do óbvio prazer carnal - é exclusividade
para aqueles que felizmente falam a linguagem do amor edificado - cada vez mais difícil de se encontrar neste mundo egoísta, que
valoriza o Ter e o Ser unilateral.

Na unidade, os olhos não pousam no outro. As mãos tocam o parceiro, mas os olhos voltam-se apenas para si mesmo.
É a cegueira inversa.
Sem a visão, o cego natural usa suas mãos para reconhecer o outro.
Na cegueira inversa, o parceiro toca o outro para apenas reconhecer-se, encontrar-se, satisfazer-se.

Felizmente, a evolução do espírito é feita através do amor.
O amor se manifesta de várias maneiras.
Mas quando decide-se viver com um companheiro, e eles vivem juntos no amor,
quanto maior a evolução espiritual entre eles, maior a possibilidade de conseguirem gozo sequer
com o toque.
É o espírito que se eleva. Com êxtase.
É a evolução sexual. Do amor. Por amor.

Ana Martins

Nenhum comentário:

Postar um comentário